ínfima

da minha janela vejo o mar. é lá que mergulho em cada noite, quando os fantasmas me rondam. lá no fundo, sou apenas um grão de areia entre milhares. nada quero, nada espero, nada anseio. só o roçar da água na minha alma e  a chegada da luz pela manhã.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s